domingo, 27 de fevereiro de 2022

a guerra

hoje não tenho habilidade de escrever palavras
que lembrem poesia
hoje é um dia triste para o mundo
tão triste, que me escasseiam todas as palavras.

Autor : BeatriceM 2022-02-24
Imagem : Alexei Antonov

sábado, 26 de fevereiro de 2022

E ...

E é preciso correr é preciso ligar é preciso sorrir
é preciso suor
é preciso ser livre é preciso ser fácil é preciso a roda
o fogo de artifícioé preciso o demónio ainda corpulento
é preciso a rosa sob o cavalinho
é preciso o revólver de um só tiro na boca
é preciso o amor de repente de graça
é preciso a relva de bichos ignotos
e o lago é preciso digam que é preciso
é preciso comprar movimentar comércio
é preciso ter feira nas vértebras todas
é preciso o fato é preciso a vida
da mulher cadáver até de manhã
é preciso um risco na boca do pobre
para averiguar de como é que eles entram
é preciso a máquina a quatro mil vóltios
é preciso a ponte rolante no espaço
é preciso o porco é preciso a valsa
o estrídulo o roxo o palavrão de costas
é preciso uma vista para ver sem perfume
e outra menos vista para olhar em silêncio
é preciso o logro a infância depressa
o peso de um homem é demais aqui
é preciso a faca é preciso o touro
é preciso o miúdo despenhado no túnel
é preciso forças para a hemoptise
é preciso a mosca um por cento doméstica
é preciso o braço coberto de espuma
a luz o grito o grande olho gelado

E é preciso gente para a debandada
é preciso o raio a cabeça o trovão
a rua a memória a panóplia das árvores
é preciso a chuva para correres ainda
é preciso ainda que caias de borco
na cama no choro no rogo na treva
é precisa a treva para ficar um verme
roendo cidades de trapo sem pernas

Autor : Mário Cesariny

sexta-feira, 25 de fevereiro de 2022

Violetas


Porque em nosso mundo
alguma coisa sempre escondida,
pequena e branca,
pequena e o que chamas
pura, não lamentamos
como lamentas, caro
mestre sofredor; tu
não está mais perdido
do que nós, sob
o pilriteiro, o pilriteiro que sustenta
harmônicas bandejas de pérolas: o que
te trouxe entre nós
que te ensinaríamos, embora
ajoelhes e chores,
juntando tuas grandes mãos,
em toda a tua grandeza nada
sabendo da natureza da alma,
que nunca há de morrer: pobre deus triste,
ou nunca tiveste uma
ou nunca perdeste uma.
 .
Louise Glück — tradução de Maria Lúcia Milléo Martins

quinta-feira, 24 de fevereiro de 2022

meia-noite todo o dia



Herdo de ti o que nunca tiveste
nunca eu to pediria se o houvesse
assim está tudo bem como as mágoas
essas não preciso que as deixes e
os rancores ficam para outros talvez
a passagem se faça sem sobressaltos
a escuridão dizias veio para ficar.

Autor : Carlos Alberto Machado
In A Realidade Inclinada, Lisboa: Averno, 2003, p. 70

quarta-feira, 23 de fevereiro de 2022

Os ...

Os gatos passeiam no pomar.
Vêem-nos cobertos de orvalho
e não sabem qual de nós a mais grávida
se sou eu, se é a árvore.
.
Autor : Catarina Nunes de Almeida

terça-feira, 22 de fevereiro de 2022

Noites que descansavam nas minhas palavras

 


Havia noites que descansavam nas minhas palavras
enquanto eu dormia. Ouviam-me a vontade de
acordar pouco. Seguravam-me as pálpebras e ,
hoje sei que era para meu bem. Acho detestável
ter que acordar todos os dias , pouco que seja.
Continua a apetecer-me gritar nas paredes
que não acordo , mas cada vez mais
menos sei o que dizer: E da noite se fez dia,
dos dias nasceu a noite.
Tal como com o ovo e a galinha também a mim
se coloca frequentemente uma dúvida ,
em noites que descansavam nas minhas palavras ,
e essa dúvida era a de acordar , pouco que fosse.

Autor : Nuno Travanca
Imagem : Karen Hollingsworth

domingo, 20 de fevereiro de 2022

Evasões


Sou desertora nos dias e nas noites
não sei ainda porque engendro muros
que me isolem .
.
E fujo alucinada de tudo e todos,
até de mim.
.
Autor : BeatriceM 2022-02-20
Imagem :Adam Bird

sábado, 19 de fevereiro de 2022

A estação impossível

O poema exprime-se em frases entrecortadas
linhas da corrente, irrisórias explosões
mas espera qualquer coisa
suficientemente brilhante
qualquer coisa
para lá dos caudais escoados
que no alto erga
a estação impossível
esse momento em que a língua dos homens
não possa mais mentir
 
Autor : José  Tolentino Mendonça
In Teoria da Fronteira

sexta-feira, 18 de fevereiro de 2022

Nota, quase, de rodapé...

Para além
da pessoa
que te oferecia rosas
existes tu
que cuidaste
dos filhos
da pessoa
que te oferecia rosas.

Autor : Maria José Meireles
Imagem :Alexei Antonov

quinta-feira, 17 de fevereiro de 2022

O nome da ausência

 

O sotão: era ali
que o mundo começava. Ainda
não sabias, então,
quantas letras te seriam
necessárias para soletrar
o alfabeto dos dias, para encher
a tua caixa
de música, a tua concha
de areia. E ainda
o não sabes hoje. Com cinza
nada se escreve a não ser
as vogais do silêncio. E este
é o nome que se dá à ausência,
quando a noite e a poeira
dos astros pousam
sobre a ranhura dos olhos.

Autor : Albano Martins
Imagem : Annegien Schilling

quarta-feira, 16 de fevereiro de 2022

...



Você sabe o amor
quando ama o ruído
o abalo
o obstáculo
a falta de sentido

e ainda é amor

Autor : Ana Peluso
Imagem : Maria Oosthuize

terça-feira, 15 de fevereiro de 2022

Ser feliz é

 

Ser feliz é não ter medo dos próprios sentimentos.
É ter coragem para ouvir um “não“.
Ser feliz é deixar viver a criança livre,
alegre e simples que mora dentro e cada um de nós.
É ter maturidade para falar “eu errei“.
É ter ousadia para dizer “me perdoe“.
É ter sensibilidade para expressar “eu preciso de você“.
É ter capacidade de dizer “eu te amo“.
Jamais desista de si mesmo.
Jamais desista das pessoas que você ama.
Jamais desista de ser feliz, pois a vida
é um espetáculo imperdível...
E tenha certeza que você é um ser humano especial
para todas as pessoas que te gosta, respeita e quer
te ver sempre bem...

Autor : Augusto Cury
Imagem : Jaroslaw Blaminsky

domingo, 13 de fevereiro de 2022

Sem limites

Não há limites
para esta paixão, que corre ao sabor do vento
na raiz do canto mais improvável.
.
Não há celeridade nenhuma
para matar a sede
de quem nunca a saciou.

E o sol beija a tarde
com o poente a perscrutar
a nossa saída pela noite dentro.

Autor : BeatriceM 2022-02-13
Imagem:Maria Magdalena Oothuizen

sábado, 12 de fevereiro de 2022

Peso Incerto

 


A terra tem o peso de uma nuvem quando
cai sobre o corpo que lhe adormece nos braços;
e empurra-o para o seu fundo, onde se irá
transformar na raiz desta filosofia: deita-te
na terra sem dormir, ouvindo a sua respiração,
e levanta-te quando a nuvem passar sobre
ti, furando-a com um espinho de rosa
para que se desfaça em água. Então, em vez
de seres envolvido por lama e pedra,
mergulharás num oceano de névoa.
E se um dia te perguntarem a diferença entre
a terra e o céu, responde com a nuvem.

Autor :Nuno Júdice

sexta-feira, 11 de fevereiro de 2022

ninguém conhece o infinito

 

A culpa é tua se dizes sempre
o mesmo nome

se tens sempre a mesma idade
e a mesma casa, se quando
revelas a tua identidade
é impossível que o céu te exploda
e que te acudas de incertezas
e de novos buracos.
A culpa é tua se ainda não
morreste, se nunca te
atrincheiraste à espera
de uma bomba que te mude os olhos
se nasces sempre no mesmo dia.
Não te aflijas.
Estás sempre a tempo de não
dormires na mesma posição
(com a mão aberta em esmola)

Também me custa
sobreviver a estes dias
mas o que ainda não chegou
é infinito.

Cláudia R. Sampaio
Imagem :Margarida Cepêda

quinta-feira, 10 de fevereiro de 2022

Nuvens

 


A metafísica será talvez
uma indisposição que se quer passageira.

Porém, eu continuo a inquietar-me
com as nuvens que são arrastadas,
 
violentamente arrastadas, na direcção sudeste,
filtrando a luz do sol em obsessiva correria.

Autor : Luís Quintais, in 'Duelo'

quarta-feira, 9 de fevereiro de 2022

O caminho

 

O caminho a percorrer no teu espaço é talvez uma maneira
de resistir à desumanidade que nos rodeia, a tudo o que é opaco
e doloroso.
Falo-te, invento-te na noite perfumada e tudo isto não acontece
por acaso.
Pressinto-te por detrás do silêncio. E existo.
Mas de que negras raízes é feita a árvore do teu corpo?

Autor : Maria Graciete Besse
Imagem : silas manhood

terça-feira, 8 de fevereiro de 2022

[para que serve o corpo senão / para amar outro corpo]

 

Queria copular-te de maneira inédita e original
beijar a rosa de maneira que o rosa, vermelho ficasse.
Beijar teus erectos seios de forma que o sangue dos lábios
se misturasse com o leite derramado da ausência,
quando as montanhas eram o lugar aprazível, onde
o verde e o ar se misturavam no puro movimento
com que as abelhas esvoaçam no teu ventre, e
colhiam o pólen da flor aberta a toda a abstracta claridade.
Queria dizer-te que o meu Sul é o teu Norte
e que navegássemos à deriva no mar encapelado
de meu corpo, pelos ventos que me sopras aos ouvidos,
como o Adamastor às naus do Gama, e depois, viesses
sereia: agrinaldar-me a fronte e cobrir-me a pele
com as algas mais doces e aromáticas do Sal, que penetrando
narinas dentro, inebriassem neste velho marinheiro
os sentidos que trouxera da velha pátria Lusitânia,
e náufrago, me agarrasse a teu corpo de alabastro.

Autor : ©Joaquim Monteiro
in À janela do teu corpo
Imagem : Nikolay Tikhomirov

domingo, 6 de fevereiro de 2022

Miragem

A luz reflectida na água,e na tarde de mim
como se os meus olhos e o meu corpo,
fossem um apêndice de um sonho extinto,
as minhas mãos desfiam areia,
por entres os dedos,
arrefecidos,
o corpo oblíquo sobre o mar,
e ardendo de azul,
imagino ver no horizonte,
um tempo de paz.
.
Autor : BeatriceM
Imagem : Hayley Roberts

sábado, 5 de fevereiro de 2022

São 3 horas da madrugada

 


São três horas da madrugada
o comboio galga quilómetros
diz-se
as metáforas são o que são
e isso
sente-se
sobretudo nas curvas
mais apertadas
metaforicamente
chiando e chispando
de cada vez que a metáfora
galopante galopando cada quilómetro
entra numa dessas curvas de forma
friccionantemente indelicada
(violenta?) felizmente
tudo isto não passa
de uma ilusão é uma metáfora
demasiado arriscada para tão pouco
e velho comboio
ele que só gosta de deslizar
como um cisne
em largo e calmo
verde lago
metonímico.

Autor : Carlos Alberto Machado

sexta-feira, 4 de fevereiro de 2022

Anoitece em Inferno a Minha Casa

 


Anoitece em inferno a minha casa.
Fico com este começo de verso
a serenar a exaltação de não dizer nada.
Deixem-me com este sorriso a morrer
por uma sílaba mais real onde um verso
me sossegue
com unhas de lama e sangue,
como garras.

Anoitece em inferno a minha casa.
Fica a certeza de não ter fim o que
de inutilidades se basta,
ou apenas o instante em que,
por um verso, eu fui
a outra parte da casa.

Helga Moreira, in 'Os Dias Todos Assim'
Imagem : Margarida Cepêda

quinta-feira, 3 de fevereiro de 2022

Para um amigo tenho sempre um relógio


Para um amigo tenho sempre um relógio
esquecido em qualquer fundo de algibeira.
Mas esse relógio não marca o tempo inútil.
São restos de tabaco e de ternura rápida.
É um arco-íris de sombra, quente e trémulo.
É um copo de vinho com o meu sangue e o sol. 
.
Autor : António Ramos Rosa

Poemas portugueses [de Viagem através de uma nebulosa], org. Jorge Reis-Sá e Rui Lage, Porto Editora, 2009.

quarta-feira, 2 de fevereiro de 2022

Noite e Dia

 

Não me agradam
essas coisas que despertam
barulho, susto, água fria
tudo na minha cara
mais nenhum sonho por perto.

Não me agradam
essas coisas que adormecem
vazio, escuro, calmaria
tudo que lembra morte
quando nada mais dá certo.

Não me agradam
essas coisas sem poesia
uma noite só noite
um dia só dia.

Autor : Alice Ruiz,
Imagem :Erika Hopper

terça-feira, 1 de fevereiro de 2022

Perdi a Poesia

Partiu pela rua das metáforas
farta de silêncios e abandonos.
Não sei como encontrá-la como chamá-la
a casa como dizer-lhe volta meu amor
prometo uma orgia de palavras
todas elas válidas perfumadas com o
aroma das maçãs camoesas

Autor : Álamo Oliveira