sexta-feira, 19 de julho de 2024

Pior...

marco pandullo

Amei quem me amou
Mas nem sempre
E bem.

Também amei quem
Não me amou.

Pior foi não amar
Quem me odiou.

Autor : Maria Sousa

quinta-feira, 18 de julho de 2024

Ainda não

Ainda não
não há dinheiro para partir de vez
não há espaço de mais para ficar
ainda não se pode abrir uma veia
e morrer antes de alguém chegar

ainda não há uma flor na boca
para os poetas que estão aqui de passagem
e outra escarlate na alma
para os postos à margem

ainda não há nada no pulmão direito
ainda não se respira como devia ser
ainda não é por isso que choramos às vezes
e que outras somos heróis a valer

ainda não é a pátria que é uma maçada
nem estar deste lado que custa a cabeça
ainda não há uma escada e outra escada depois
para descer à frente de quem quer que desça

ainda não há camas só para pesadelos
ainda não se ama só no chão
ainda não há uma granada
ainda não há um coração

Autor : António José Forte
Uma Faca nos Dentes
Livraria Editora, Lda.

quarta-feira, 17 de julho de 2024

Como


Como este beijo,
é vasto e profundo
o oceano.

E alheio ao mundo.

Autor : Isabel Solano

terça-feira, 16 de julho de 2024

Balas


A arma do Poeta

Eu nunca
Fui soldado
Nunca usei
Farda
Mas usei
A arma do poeta
A arma do verso

Eles disparam
Balas
Eu "disparo"
Versos

Não carrego
No gatilho
Mas empunho
A pena!

Autor : Delmar Maia Gonçalves

domingo, 14 de julho de 2024

hoje


senti o riso das aves
que voavam, em bando
felizes
e eu sorri no sorriso que de ti recebi.

Autor : BeatriceM 2016-07-10

sábado, 13 de julho de 2024

Pedras


Pedras.Reconheço-me nas pedras.
Nuvens violentamente negras e pedras
Amontoadas de um castelo que ruiu.

O sol fundiu-se, a cidade está afónica.
O calor dos passos acesos
Alenta este silêncio de vão de escada.
.
Musica longínqua, remota.
Um bêbado cambaleante fermenta na voz:
«Já não temos tempo…»
.
Calo-me
À luz implacável do tacto frio da ausência.
Calam-se as palavras,
Seca a tinta da caneta,

É o grito do caos.

E assim perdemos tudo…

Autor:Gonçalo Nuno Martins
In:Nada em 54 vezes Pág.52
Foto:Oscar Keserci

sexta-feira, 12 de julho de 2024

Se és meu amigo

Se és meu amigo
oferece-me um barco

e deixa-me no meio do mar
sozinha

Se gostas de mim
inventa para hoje
uma ilha

e deixa-me nua
na areia

Apenas o corpo das dunas
apenas a ansiedade dos juncos
apenas a pressentida viagem dos peixes

Apenas a alta sombra fresca
dos pássaros
passando

Autor ;Teresa Rita Lopes

quinta-feira, 11 de julho de 2024

O Destino

 

Não tive a má intenção de te prender
à minha vida. A música, o álcool,
todo o ouropel da noite, eu só quis
sossegar por algum tempo a dúvida

que me castigava, antes que a manhã
chegasse e a aranha do remorso
descesse pelo seu alimento à mesa
do pequeno-almoço. Batemos

à mesma porta e chamaste destino
ao acaso. Zelava por nós, entre
as eléctricas estrelas, o pequeno deus
do amor? Era o que trazia ao peito

a divisa da derrota universal? Como vês,
foi sempre outra, e inútil, a minha
fé - mas perdoa, se puderes, o pouco
que soube fazer pela solidão dos dois.

Autor : Rui Pires Cabral
Imagem : Anthony Garcia

quarta-feira, 10 de julho de 2024

Se

 

Se eu tivesse um carro
havia de conhecer
toda a terra.

Se eu tivesse um barco
havia de conhecer
todo o mar.

Se eu tivesse um avião
havia de conhecer
todo o céu.

Tens duas pernas
e ainda não conheces
a gente da tua rua.

Autor : Luísa Dacosta
Imagem : Omar Ortiz

terça-feira, 9 de julho de 2024

Nunca são as coisas mais simples que aparecem

Nunca são as coisas mais simples que aparecem
quando as esperamos. O que é mais simples,
como o amor, ou o mais evidente dos sorrisos, não se
encontra no curso previsível da vida. Porém, se
nos distraímos do calendário, ou se o acaso dos passos
nos empurrou para fora do caminho habitual,
então as coisas são outras. Nada do que se espera
transforma o que somos se não for isso:
um desvio no olhar; ou a mão que se demora
no teu ombro, forçando uma aproximação
dos lábios.
.
Autor :Nuno Judice
Foto:Sitriel

domingo, 7 de julho de 2024

A partilha da noite

E o sono é despertado
No desejo da noite alvoraçada
Em timbres de ternura e partilha

Os corpos não tem fronteiras
Apenas fogo em combustão
Nos secretos gestos inimitáveis

Deixa que o ensejo
Nos leve a flutuar no Éden
Com que inventamos a nossa noite

Autor : BeatriceM 2024-06-30
imagem :Tina Sosna

sábado, 6 de julho de 2024

Suavidade


Borboleta voa
No estio, sobre o rio.
Tão gentil, tão boa!

Autor : Artur Eduardo Benevides

sexta-feira, 5 de julho de 2024

Como quem pede um coração

Nos dias tristes não se fala de aves.
Liga-se aos amigos e eles não estão
e depois pede-se lume na rua
como quem pede um coração
novinho em folha.

Nos dias tristes é Inverno
e anda-se ao frio de cigarro na mão
a queimar o vento e diz-se
- bom dia!
às pessoas que passam
depois de já terem passado
e de não termos reparado nisso.

Nos dias tristes fala-se sozinho
e há sempre uma ave que pousa
no cimo das coisas
em vez de nos pousar no coração
e não fala connosco.


Filipa Leal
Imagem : Sanna Lee

quinta-feira, 4 de julho de 2024

Não há tempo

Não há tempo
há horas

Não há um relógio
hábitos que
me habitam

O poema dói
o ponteiro corta
a hora que queima
a morte simula

respira
para não me distrair

Autor : Fernando Lemos,
 in 'A única real tradição viva - antologia da poesia surrealista portuguesa'

quarta-feira, 3 de julho de 2024

Se

 

se por acaso
a gente se cruzasse
ia ser um caso sério
você ia rir até amanhecer
eu ia ir até acontecer
de dia um improviso
de noite uma farra
a gente ia viver
com garra

eu ia tirar de ouvido
todos os sentidos
ia ser tão divertido
tocar um solo em dueto

ia ser um riso
ia ser um gozo
ia ser todo dia
a mesma folia
até deixar de ser poesia
e virar tédio
e nem o meu melhor vestido
era remédio

daí vá ficando por aí
eu vou ficando por aqui
evitando
desviando
sempre pensando
se por acaso
a gente se cruzasse...

Autor : Alice Ruiz