quarta-feira, 24 de janeiro de 2018

Sem Bússola, sem Leme...

Danielle Richard

Cansada, exausta, do labor insano
duma vida incolor, sem fantasia,
vou ver se encontro, noutro meridiano,
a emoção que desejo em cada dia.

Vou procurar, sem lógica, sem plano,
um pouco de aventura, de alegria.
Não mais o miserável quotidiano,
antes o vendaval que a calmaria.

Antes dor... No barco em que navego,
sem bússola, sem leme, louco e cego,
vou procurar inexistentes rotas.

Ó meu veleiro doido, sem governo,
a caminho, talvez, do céu, do inferno,
sobre espumas e asas de gaivotas.


Autor : Fernanda de Castro

terça-feira, 23 de janeiro de 2018

Ainda te falta


Ainda te falta dizer isto: que nem tudo
o que veio
chegou por acaso. Que há
flores que de ti
dependem, que foste
tu que deixaste
algumas lâmpadas
acesas. Que há
na brancurado papel alguns
sinais de tinta
indecifráveis. E
que esse
é apenas
um dos capítulos do livro
em que tudo
se lê e nada
está escrito.

Autor:Albano Martins 
Foto:KuSiu

domingo, 21 de janeiro de 2018

em procura de memórias

Anka Zhuravleva

num fim de dia ,fui pelas ruas
as mesmas que um dia
andarilhamos – juntos.

sem querer admitir a mim própria
pesquisei resquícios de ti
algo como, um aroma
ou um sorriso esquecido.

as ruas estão diferentes
mas são as mesmas em que deabulamos
e em todas elas, todas
eu senti – ainda-  a tua presença.


Autor : BeatriceM 2017-01-20

sábado, 20 de janeiro de 2018

Nocturno

Victor Bauer
O desenho redondo do teu seio
Tornava-te mais cálida, mais nua
Quando eu pensava nele…Imaginei-o,
À beira-mar, de noite, havendo lua…

Talvez a espuma, vindo, conseguisse
Ornar-te o busto de uma renda leve
E a lua, ao ver-te nua, descobrisse,
Em ti, a branca irmã que nunca teve…

Pelo que no teu colo há de suspenso,
Te supunham as ondas uma delas…
Todo o teu corpo, iluminado, tenso,
Era um convite lúcido às estrelas….

Imaginei-te assim à beira-mar,
Só porque o nosso quarto era tão estreito…
- E, sonolento, deixo-me afogar
No desenho redondo do teu peito…

Autor : David Mourão-Ferreira

sexta-feira, 19 de janeiro de 2018

A perfeição


O que me tranquiliza
é que tudo o que existe,
existe com uma precisão absoluta.
O que for do tamanho de uma cabeça de alfinete
não transborda nem uma fracção de milímetro
além do tamanho de uma cabeça de alfinete.
Tudo o que existe é de uma grande exactidão.
Pena é que a maior parte do que existe
com essa exactidão
nos é tecnicamente invisível.
O bom é que a verdade chega a nós
como um sentido secreto das coisas.
Nós terminamos adivinhando, confusos,
a perfeição.

Autor : Clarice Lispector

quinta-feira, 18 de janeiro de 2018

ah a forma do amor devia tomar

ah a força do amor devia tornar
os corpos transparentes, até ao centro opaco
onde desejam. Se deste amor tão raro
te desejo, como pode
o duro deus negá-lo?
Este resto de vida que me cabe,
o veneno na taça, o corpo espesso,
como vivê-los sem a sombra de água
sem a língua de lume do teu sangue?

.
Autor ::António Franco Alexandre
Foto: Jark

quarta-feira, 17 de janeiro de 2018

Às vezes as coisas dentro de nós

Mira Nedyalkova,

O que nos chama para dentro de nós mesmos 
é uma vaga de luz, um pavio, uma sombra incerta.
 Qualquer coisa que nos muda a escala do olhar
 e nos torna piedosos, como quem já tem fé.
 Nós que tivemos a vagarosa alegria repartida
 pelo movimento, pela forma, pelo nome,
 voltamos ao zero irradiante, ao ver
 o que foi grande, o que foi pequeno, aliás
 o que não tem tamanho, mas está agora
 engrandecido dentro do novo olhar.

 Autor : Fiama Hasse Pais Brandão
 As fábulas

terça-feira, 16 de janeiro de 2018

É urgente o amor

Victor Bauer

É urgente o amor.
É urgente um barco no mar.

É urgente destruir certas palavras,
ódio, solidão e crueldade,
alguns lamentos,
muitas espadas.

É urgente inventar alegria,
multiplicar os beijos, as searas,
é urgente descobrir rosas e rios
e manhãs claras.

Cai o silêncio nos ombros e a luz
impura, até doer.
É urgente o amor, é urgente
permanecer.

Autor : Eugénio de Andrade

domingo, 14 de janeiro de 2018

anoitece

andre kohn

anoitece e eu desfaço um fio de ilusões,
são memórias apenas,
que entrelaço e enrolo,
nas vagas das minhas recordações,
não estás aqui,
é certo.

mas que faço com estas memórias
que guardo e sinto?

não nego, que tu foste mais que um acaso,
para quê?!

se tudo, ou quase tudo
ainda se resume a ti

beijo-te e tu nem sabes…mas sei eu
e isso me basta
há dias assim…límpidos com a tua face
resplandecente de inocência


e também de  pecado.

Autor : BeatriceM

sábado, 13 de janeiro de 2018

O Espelho

Diggie Vitt

Esse que em mim envelhece
assomou ao espelho
a tentar mostrar que sou eu.

Os outros de mim,
fingindo desconhecer a imagem,
deixaram-me a sós, perplexo,
com meu súbito reflexo.

A idade é isto: o peso da luz
com que nos vemos.

Autor : Mia Couto
In Idades Cidades Divindades