quarta-feira, 4 de maio de 2016

Feitos de Vento

MAJA TOPCAGIC


..ainda me estremeces no peito
como arrepio de um sopro de vento

o teu nome inscrito na mudez de um grito
que se faz ouvir na noite

a nitidez da memória
de uma tarde quente

a placidez dos gestos
a esconder o desassossego do ventre...

e o corpo...
...tão perto
no encontro sereno da fala...

os olhos
bebiam o horizonte distante
como se soubessem
que o retrato que me tiravas à janela
{já tão antigo!}
seria este silêncio de agora
que de nós não parte...

o murmúrio das árvores lá fora
ensurdecia os pássaros mudos

e nós
fomos a plenitude
de um único intervalo
já tardio na vida...

ficámos feitos de vento
amor
dor de um destino que chamei rebelde

uma espécie de angustia em mim cravada
por haver chegado sempre tarde...

amor
não gosto dos dias
em que não se ouvem os pássaros...

Autora : Sónia M
http://soniagmicaelo.blogspot.pt/

terça-feira, 3 de maio de 2016

Como é que eu,

Saul Landell

Como é que eu,
ouvindo tão mal, distingo
o teu andar desde o princípio do corredor?

Como é que eu,
vendo tão pouco, sei
que és tu chegas, conforme a luz?

Como é que eu,
de mãos tão ásperas, desenho
a tua cara mesmo tão longe dela?

Onde está
tudo o que sei de ti
sem nunca ter aprendido nada?

Serei ainda capaz
de descobrir a palavra
que larga o teu rasto na janela?

(Que seria de nós
se nos roubassem os pontos de interrogação?)


Autor: Mário Castrim

segunda-feira, 2 de maio de 2016

Esta vista de mar,

Danielle Richard


Esta vista de mar, solitariamente,
dói-me. Apenas dois mares,
dois sóis, duas luas
me dariam riso e bálsamo.
A arte da natureza pede
o amor em dois olhares

Autor: Fiama Hasse Pais Brandão

domingo, 1 de maio de 2016

Maio

norvz austria

Hoje um poeta morreu
no trabalho
a construir poemas

João Corinto servente
não sabia palavras
só tijolos e cimento

Um pé fora do andaime
o chão não era de cravos
e as aves
bateram asas

Hoje um poeta morreu
no trabalho

Projectou-se do oitavo verso
do seu poema

Autor : Eufrázio Filipe
(2008)
http://mararavel.blogspot.pt/

sábado, 30 de abril de 2016

A noite trocou-me os sonhos e as mãos

Karen Hollingsworth

A noite trocou-me os sonhos e as mãos
dispersou-me os amigos
tenho o coração confundido e a rua é estreita

estreita em cada passo
as casas engolem-nos
sumimo-nos
estou num quarto só num quarto só
com os sonhos trocados
com toda a vida às avessas a arder num quarto só

Sou um funcionário apagado
um funcionário triste
a minha alma não acompanha a minha mão
Débito e Crédito Débito e Crédito
a minha alma não dança com os números
tento escondê-la envergonhado
o chefe apanhou-me com o olho lírico na gaiola do quintal
                                                                             [em frente
e debitou-me na minha conta de empregado
Sou um funcionário cansado dum dia exemplar
Por que não me sinto orgulhoso de ter cumprido o meu
                                                                              [dever?
Por que me sinto irremediavelmente perdido no meu cansaço?

Soletro velhas palavras generosas
Flor rapariga amigo menino
irmão beijo namorada
mãe estrela música

São as palavras cruzadas do meu sonho
palavras soterradas na prisão da minha vida
isto todas as noites do mundo numa só noite comprida
num quarto só.


Autor : António Ramos Rosa

sexta-feira, 29 de abril de 2016

Tela


Oleg Oprisco

Hoje sou eu que poso para o teu poema
Como uma modelo numa cama de flores
Que estaria
A vida inteira diante dos teus olhos
Até ser só ossos, ouro, palavras, rebentação.

Autor: Ana Salomé

quinta-feira, 28 de abril de 2016

Amar por amar não posso



Amar por amar não posso.
Amar por amar não sei.
Amar por amar não posso.
Amo aquilo só que é nosso
Amando à margem da lei.

Amar por amar não posso
Amar por amar não sei.

Ninguém me faça perguntas!
Trago o coração já frio…
Ninguém me faça perguntas,
Que as minhas lágrimas juntas
Davam para encher um rio!

As minhas lágrimas juntas
Davam para encher um rio!

Autor : Pedro Homem de Mello

quarta-feira, 27 de abril de 2016

Sempre amei por palavras muito mais

Steve Hanks

Sempre amei por palavras muito mais
do que devia
são um perigo
as palavras
quando as soltamos já não há
regresso possível
ninguém pode não dizer o que já disse
apenas esquecer e o esquecimento acredita
é a mais lenta das feridas mortais
espalha-se insidiosamente pelo nosso corpo
e vai cortando a pele como se um barco
nos atravessasse de madrugada
e de repente acordamos um dia
desprevenidos e completamente
indefesos
um perigo
as palavras
mesmo agora
aparentemente tão tranquilas
neste claro momento em que as deixo em desalinho
sacudindo o pó dos velhos dias
sobre a cama em que te espero

Autor : Alice Vieira
in O QUE DOI AS AVES (Caminho, 2009)

segunda-feira, 25 de abril de 2016

Navego canela e marfim


Navego canela e marfim
E em meu sal marinheiro...

Solto os mares.
Que porto abandonado é fogo ardido...

Corsário de um corpo indefinido
Em cada remo me fundeio. A bruma é lua.
E o rosto indefinido vaga cheia...

Cartografia dos sentidos
Rebentando as veias...

Não mais bandeiras. Outras.
Apenas o convés engalanado
E o mastro altivo...

Tão grávida de Índias
Minha galera de glórias passageiras...

Autor : Manuel Veiga
"Do Esplendor das Coisas Possíveis" - pág 89
Poética Edições - Lisboa

domingo, 24 de abril de 2016

a eclosão das manhãs

Eric Zener

houve uma noite
em que todas as manhãs eclodiram

a lua dançou as quatro fases
o mar subiu e desceu um peito arfante de marés
as árvores despiram-se vestiram-se e floriram
e a terra rodopiou pelo tempo inexistente

e eu
não saí do meu lugar
recolhida encolhida numa concha
sem saída
reclinei-me na janela das ilusões
a ver passar os sonhos
como se fossem rebanhos em transumância

e
se agora digo que houve uma noite
é para não ter de contar
as noites todas
até aqui

Autor : Rosário Ferreira Alves