quarta-feira, 31 de janeiro de 2018

Queria dizer-te que não sei





Queria dizer-te que não sei
que há qualquer coisa
talvez desperdiçada talvez não
Tu sentiste-a disseste que era como
qualquer uma outra coisa que
esqueci
A tarde era talvez já fosse tarde
e a noite não vinha
─ como sempre
Queria dizer-te mas não sei se agora
me saberás ouvir


Autor  : Maria Alberta Menéres
Foto: Anna O.photograph

1 comentário:

Gil António disse...

Profundo, intenso, maravilhoso poema
.
* Campos ondulando em flor, afectos infinitos *
.
Votos de um dia feliz.