quinta-feira, 4 de janeiro de 2018

Os Lugares-Comuns

Andre Kohn
Quando o homem que ia casar comigo
chegou a primeira vez na minha casa,
eu estava saindo do banheiro, devastada
de angelismo e carência. Mesmo assim,
ele me olhou com olhos admirados
e segurou minha mão mais que
um tempo normal a pessoas
acabando de se conhecer.
Nunca mencionei o facto.
Até hoje me ama com amor
de vagarezas, súbitos chegares.
Quando eu sei que ele vem,
eu fecho a porta para a grata surpresa.
Vou abri-la como o fazem as noivas
e as amantes. Seu nome é:
Salvador do meu corpo.

Autor : Adélia Prado
in 'Bagagem'

1 comentário:

Gil António disse...

O amor é lindo.
.
Tema: * O Silêncio da Luzência em noite escura *
.
Continuação de um Ano Feliz
Bom dia