segunda-feira, 23 de setembro de 2013

A Festa do Silêncio


António Victor Ramos Rosa
17 de Outubro de 1924
23 de Setembro de 2013


Escuto na palavra a festa do silêncio. 

Tudo está no seu sítio. As aparências apagaram-se. 
As coisas vacilam tão próximas de si mesmas. 
Concentram-se, dilatam-se as ondas silenciosas. 
É o vazio ou o cimo? É um pomar de espuma. 

Uma criança brinca nas dunas, o tempo acaricia, 
o ar prolonga. A brancura é o caminho. 
Surpresa e não surpresa: a simples respiração. 
Relações, variações, nada mais. Nada se cria. 
Vamos e vimos. Algo inunda, incendeia, recomeça. 

Nada é inacessível no silêncio ou no poema. 
É aqui a abóbada transparente, o vento principia. 
No centro do dia há uma fonte de água clara. 
Se digo árvore a árvore em mim respira. 
Vivo na delícia nua da inocência aberta. 

António Ramos Rosa, in "Volante Verde"

domingo, 15 de setembro de 2013

Por ti

Inna Narkevich


Por ti
Esperei tardes prolongadas
com os ossos enregelados
e o coração magoado.

E quando o declinar do dia
ameaçava tempestade
inventei poentes
alimentei mágoas
forjei fragrâncias nos sargaços .

Aguardei

Um abraço que não chegou
Um beijo que não aconteceu

E nas esperas envelheci
Envelheci mais que as noites, as esperas, os dias

Os abraços não dados
Os beijos não permutados.

Hoje quando a maresia trouxe com ela
resquícios do teu perfume
constatei, pesarosa
que já nada havia para esperar.
.
BeatriceMar



domingo, 1 de setembro de 2013

Fogo

Matthew Scherfenberg -

Nunca aprendi a apagar o fogo,
quando por vezes o sinto,
entranhar-se em mim.

Diz-me a brisa 
que bastava somente 
um beijo a planar o corpo



BeatriceM 2013/09/01