domingo, 2 de outubro de 2011

....


Despi as máscaras
Fiquei nu,
Deambulei calçadas...
Tão indecoroso me notei,
Caminhos irregulares percorri
Dores expostas, escondidas á mostra...
Apesar de titubeante debrucei-me no chão.
Pouco a pouco desamamentei os medos.
Sujei com as lágrimas das palavras, a vida.
Num dado instante
Não fui eu quem falou,
Aliás, terei sido eu? Eu...?
Depravei em farsas
.
Autor :  http://loucodelisboa.blogspot.com/
Foto:The Professor

5 comentários:

mfc disse...

Um poema despido, ousado e verdadeiro.

£ou¢o Ðe £Î§ßoa disse...

Apenas me ocorre dizer que, tens bom gosto. :-)

Agradeço a partilha, até outro instante.

Mar Arável disse...

" o poeta é um fingidor "

mixtu disse...

despei-me
desnudei-me
caminhei...
... no chão...

a vida e os seus medos...


abrazo serrano

heretico disse...

gomos sobre gomos. até ao cerne...
saborosos. sempre.

beijos