domingo, 3 de julho de 2011

Sarça


toco-te l(E)tra
discreta sobre a blusa
como transparência
do sol mordendo-te
a teta...

de encontro à meta
o gesto da roupa solta...
macio o tempo da demora:
corpo aberto como prado!...

bravios potros
como amoras na boca!...
urgência dos beijos
como faca...

( línguas e segredos
o vinho e o mosto
do teus lábios...)

aberta no fio da curva
secreta a vulva
como sarça!...
.
Autor :Senador
Foto:loghan

3 comentários:

Solilóquio ao longe disse...

Adorei seu blog!

gosta de poesia?
venha visitar-me em:
www.soliloquioaolonge.blogspot.com

vou te seguir, vc retribui o seguimento?

terei prazer em recebe-la e publicar algo meu neste seu espaço tão bonito...
um grande abraço!

Mar Arável disse...

Até a pedra se rasga

para os pássaros
construirem os seus ninhos

heretico disse...

no calor da sarça ardente o incêndio dos sentidos...

beijos