terça-feira, 18 de abril de 2017

Sono


eric zener

Dormir
mas o sonho
repassa
duma insistente dor
a lembrança
da vida
água outra vez bebida
na pobreza da noite: 
e assim perdido 
o sono 
o olvido 
bates, coração, repetes 
sem querer 
o dia.

Autor : Carlos de Oliveira
in 'Cantata'

2 comentários:

LuísM disse...

belo poema do carlos de oliveira.
pesadelos que se refletem na noite.
onde o coração sofre...
um beijo, beatrice

Manuel Veiga disse...

gosto muito da poesia de Carlos de Oliveira.
uma referência.

beijo