domingo, 30 de março de 2014

Tempo

Christina-Nguyen

Em plena primavera
e em desesperado alvoroço
a chuva molha-me o corpo
na inquietude deste frio
e deste vento.

E eu nem sinto
ainda anestesiada
pelo calor do teu
arreigado no meu
e em mim.

Nem sei, ainda se o arrepio que sinto
a me percorrer as entranhas
é do tempo
se é da memória do teu corpo
em mim.

Em Lisboa o verão
tarda em chegar.
.
BeatriceMar

2 comentários:

Mar Arável disse...

No ciclo das marés

que vivam todos os apeadeiros

António Jesus Batalha disse...

Ao passar pela net encontrei seu blog, estive a ver e ler alguma postagens é um bom blog, daqueles que gostamos de visitar, e ficar mais um pouco.
Eu também tenho um blog, Peregrino E servo, se desejar fazer uma visita.
Ficarei radiante se desejar fazer parte dos meus amigos virtuais, saiba que sempre retribuo seguido também o seu blog. Deixo os meus cumprimentos e saudações.
Sou António Batalha.