domingo, 16 de junho de 2013

...



Lê , são estes os nomes das coisas que
deixaste – eu, livros, o teu perfume
espalhado pelo quarto; sonhos pela
metade e dor em dobro, beijos por
todo o corpo como cortes profundos
que nunca vão sarar; e livros, saudade,
a chave de uma casa que nunca foi a
nossa, um roupão de flanela azul que
tenho vestido enquanto faço esta lista:
livros, risos que não consigo arrumar,
e raiva – um vaso de orquídeas que
amavas tanto sem eu saber porquê e
que talvez por isso não voltei a regar; e
livros, a cama desfeita por tantos dias,
uma carta sobre a tua almofada e tanto
desgosto, tanta solidão; e numa gaveta
dois bilhetes para um filme de amor que
não viste comigo, e mais livros, e também
uma camisa desbotada com que durmo
de noite para estar mais perto de ti; e, por
todo o lado, livros, tantos livros, tantas
palavras que nunca me disseste antes da
carta que escreveste nessa manhã, e eu,
eu que ainda acredito que vais voltar, que

voltas, mesmo que seja só pelos teus livros.
.
Autor : Maria do Rosário Pedreira

4 comentários:

Anónimo disse...

Lindas e sentidas as suas palavras.
Gostei muito.
Eduardo Leblanc

heretico disse...

e as flores (secas?) dentro dos livros?

um belo poema.

beijo

heretico disse...

e as flores (secas?) dentro dos livros?

um belo poema.

beijo

Mar Arável disse...

Tudo se folheia

nos livros