domingo, 18 de setembro de 2011

Palavra inóspita

Talvez o caos seja apenas a rosácea

Antes do fogo que os dedos tecem no cinzel
E a pedra a absurda permanência da forma
Em si fechada...


Talvez a poalha do tempo fecunde novas cidades
E as ínfimas coisas se ordenem e expludam
Como corolas em delírios de cristal...


Talvez a vontade dos homens seja excesso
E rasgue as veias das galáxias
E o surdo rugir do mundo inunde a consciência
Dos escravos...


Talvez a Palavra seja inóspita
E os hinos sejam derrocada das muralhas...
.
Autor : Heretico  http://relogiodependulo.blogspot.com/
Foto: Paddinka

2 comentários:

mfc disse...

Um poema de vontade e querer lindos!

A foto... belíssima!

heretico disse...

beijo, querida amiga
sensibilizado por merecerer a atenção da bela Beatrice...