sexta-feira, 28 de janeiro de 2011

Os (teus) gestos


Disto ficarão pequenos gestos
nada grandioso que se exclame

sorte de te ter junto aos meus restos
memória da tua boca fogo infame.

Vitória do teu corpo sobre o meu
no exacto momento em que te venço

tão só correr de nuvens sobre o céu
ou no fim do mundo um recomeço.

Queria inventar-te um sítio sem palavras
em que só sobre o corpo a luz derrama

sua generosa claridade.
Lembrar-te nos momentos em que amavas

— os corpos extenuados sobre a cama —
e havia um sol de não haver idade.


.

Autor ; Bernardo Pinto de Almeida

Foto:dark nebula


2 comentários:

heretico disse...

tempo de cerejas - breves que sejam!

belíssimo.
Poesia de primeiríssima qualidade.

beijos

Mar Arável disse...

Um sol sem idade

Belo