sábado, 28 de agosto de 2010

rasgos sem rima

chegas num gesto abraçado
trazes nas Mãos o pó aceso das estrelas
e o brilho do negrume precipitado
dum outro Mar...

a luz eleva-se no culminar do entardecer
tocas as Margens na abrangência dos teus braços,
demoves o Manto bordado a pérolas negras
onde um dia me perdi

a luz regressa na transparência da noite,
como uma confissão silenciada...

Autor:Cristina Fernandes http://omomentocerto.blogspot.com/
Foto: EdekLeszczyk

2 comentários:

Me Hate disse...

É, usualmente, na poesia que encontramos a projecção mais real da vida... é nela que renascemos, é nela que amamos, é nela que idealizamos... em ultima análise, é nela que nos redimimos... Gostei muito deste espaço.

Encontro-me também no: http://oromeuqueseperdeu.blogspot.com/

Chris disse...

Fico feliz de ter gostado deste poema... pode publicar poemas meus desde que devidamente identificado.
Um beijo
Cristina Fernandes (*)

(*) agradeço só que utilize o meu nome que em breve terá o devido registo no spa.