sábado, 31 de janeiro de 2009

Pedras


Pedras.Reconheço-me nas pedras.
Nuvens violentamente negras e pedras
Amontoadas de um castelo que ruiu.

O sol fundiu-se, a cidade está afónica.
O calor dos passos acesos
Alenta este silêncio de vão de escada.
.
Musica longínqua, remota.
Um bêbado cambaleante fermenta na voz:
«Já não temos tempo…»
.
Calo-me
À luz implacável do tacto frio da ausência.
Calam-se as palavras,
Seca a tinta da caneta,

É o grito do caos.

E assim perdemos tudo…

Autor:Gonçalo Nuno Martins
In:Nada em 53 vezes Pág.52
Foto:Beatrice

Sem comentários: