terça-feira, 10 de junho de 2008

II



Gosto de ti desesperadamente: dos teus cabelos de tarde onde mergulho o rosto, dos teus olhos de remanso onde me morro e descanso; dos teus seios de ambrósias, brancos manjares trementes com dois vermelhos morangos para as minhas alegrias;
de teu ventre - uma enseada - porto sem cais e sem mar - branca areia à espera da onda que em vaivém vai se espraiar; de teu quadris, instrumento de tantas curvas, convexo, de tuas coxas que lembram as brancas asas do sexo;
- do teu corpo só de alvuras - das infinitas ternuras de tuas mãos, que são ninhos de aconchegos e carinhos, mãos angorás, que parecem que só de carícias tecem esses desejos da gente...
Gosto de ti desesperadamente;
gosto de ti, toda, inteira nua, nua, bela, bela, dos teus cabelos de tarde aos teus pés de Cinderela, (há dois pássaros inquietos em teus pequeninos pés) - gosto de ti, feiticeira, tal como tu és...
.
Autor:J.G.Araújo Jorge

2 comentários:

Nilson Barcelli disse...

"Gosto de ti desesperadamente"...
E eu gostei do texto que escolheste.
Tens muito bom gosto.
A foto também foi bem escolhida.

Beijinhos.

Maria Ana disse...

simplesmente lindo!
aliás, lindos todos.
gosto refinado para palavras, dona moça.

saudações.

Nana