quarta-feira, 20 de novembro de 2013

Silêncio



Uma noite,
quando o mundo já era muito triste,
veio um pássaro da chuva e entrou no 
teu peito,
e aí, como um queixume,
ouviu-se essa voz de dor que já era a tua
voz,
como um metal fino,
uma lâmina no coração dos pássaros.

Agora,
nem o vento move as cortinas desta casa.
O silêncio é como uma pedra imensa,
encostada à garganta.
.

Autor : José Agostinho Baptista