sábado, 2 de outubro de 2010

Desamor

Deito-me no centro das teias obscuras. Quebro os espelhos, os belos cristais onde
o meu perfil se descobre,
incólume às navalhas.
Vales tanto, vida,
como esta cicatriz impura, respirando
entre as cinzas,nesta cama de almofadas húmidas, com
as lágrimas caindo.

Autor:José Agostinho Baptista
Agora e na Hora da nossa Morte
Assírio & Alvim, 1998
Foto:Paulo César

Sem comentários: